Por que escrever à mão torna crianças (e adultos) mais inteligentes

Pesquisadores identificaram que a escrita cursiva cria mais atividade nas partes sensório-motoras do cérebro, ajudando a melhorar o aprendizado e a memorização

Por que escrever à mão torna crianças (e adultos) mais inteligentes  (Foto: fotografierende/Unsplash)
Por que escrever à mão torna crianças (e adultos) mais inteligentes (Foto: fotografierende/Unsplash)

Escrever com as mãos ajuda tanto crianças quanto adultos a aprenderem mais e memorizarem melhor. É o que apontam os resultados de diferentes estudos, entre eles um conduzido por pesquisadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU, na sigla em inglês), publicado em 2020 no periódico Frontiers in Psychology.

Uma das autoras da pesquisa, a professora Audrey van der Meer, defende que deveriam ser adotadas medidas nacionais na Noruega para garantir que crianças recebam um mínimo de treinamento de escrita cursiva.

Van der Meer e seus colegas fizeram algumas investigações sobre o assunto, primeiro em 2017 e, depois, em 2020. Na primeira vez, a equipe analisou a atividade cerebral de 20 estudantes; no estudo mais recente, examinou a atividade em 12 jovens adultos e 12 crianças. Até então, nenhum estudo do tipo havia incluído crianças, e a conclusão foi de que, para garantir aprendizado e memorização, a escrita à mão é melhor do que aquela usando teclado.

Ambos os estudos de Van der Meer foram conduzidos usando eletroencefalografia, um método de monitoramento que registra a atividade elétrica do cérebro. Durante o procedimento, os participantes vestiam uma espécie de capacete com 250 eletrodos, que detectam impulsos elétricos da atividade cerebral. Cada exame durou 45 minutos, e os pesquisadores receberam 500 pontos de dados por segundo.

Os resultados mostraram que o cérebro tanto nas crianças quanto nos jovens adultos fica muito mais ativo quando escrevem à mão. “O uso de papel e caneta dá ao cérebro mais ‘ganchos’ para você pendurar suas memórias. Escrever à mão cria muito mais atividade na parte sensório-motora do cérebro”, explica a cientista, em comunicado.

Segundo ela, muitos sentidos são ativados ao pressionar a caneta no papel, ver as letras que você escreve e o próprio som da escrita. “Essas experiências sensoriais criam contato entre diferentes partes do cérebro e o abrem para o aprendizado. Nós aprendemos e lembramos melhor”, detalha Audrey.

FONTE: REVISTA GALILEU / GLOBO

VEJA TAMBÉM

Vacinação contra a influenza começa nesta segunda (12)

Público-alvo será dividido em etapas e contará com 100 salas de vacina O público-alvo de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *