“Combata o mosquito todo dia”: campanha incentiva prevenção contra a dengue, zika e chikungunya

DF registrou queda de 70% no número de casos de dengue, mas reforçou equipes de vigilância ambiental

HUMBERTO LEITE, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF | EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA | REVISÃO: JULIANA SAMPAIO

O Ministério da Saúde lançou, nesta terça-feira (30), a campanha “Combata o mosquito todo dia” para incentivar os brasileiros a colocar na rotina as ações preventivas contra a proliferação do mosquito Aedes aegypti – transmissor da dengue, zika e chikungunya. O objetivo é intensificar as ações no período que antecede o verão e evitar surtos e epidemias causadas pelos vírus transmitidos pelo mosquito.

Evento no MS de lançamento da campanha nacional contra o Aedes aegypti – Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

“O mosquito é muito mais rápido para se reproduzir do que a gente imagina”, alertou o coordenador-geral de Vigilância de Arboviroses do Ministério da Saúde, Cássio Peterka. Já Maria Almiron, representante da Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil (Opas), destacou as estratégias desenvolvidas no Brasil para combater as doenças, como a atuação dos agentes de vigilância sanitária. “É através deles que a estratégia é levada em nível de comunidade”, explicou.

Presente no lançamento da campanha, o secretário de Saúde do Distrito Federal, general Manoel Pafiadache, ressaltou que em novembro começaram a trabalhar mais 500 agentes de vigilância ambiental. O objetivo é manter a queda no número de registros da dengue: até 13 de novembro de 2021 foram 15.772 casos prováveis da doença, um número 70,9% menor que o registrado no mesmo período do ano passado. “Isto é fruto de um intenso trabalho de rotina das equipes da Secretaria”, afirmou o gestor.

General Pafiadache participou do lançamento da campanha nacional – Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

As ações de rotina de casa em casa ocorrem diariamente. Já as ações maiores onde as equipes vistoriam locais do DF como ferros-velhos ou onde há acúmulo de lixo são realizadas a cada 15 dias. Se necessário, é feita a aplicação de produtos químicos de maneira estratégica: ao invés do UBV pesado (fumacê), que é dispersado pelo vento, os agentes de vigilância ambiental aplicam um produto líquido capaz de impregnar-se nas superfícies e proteger a população por até 30 dias. Em todo o País, porém, a principal estratégia precisa ser a sensibilização das comunidades.

“Precisamos estar atentos. Se combatermos o mosquito, combateremos a doença”, finalizou o secretário de Vigilância do Ministério da Saúde, Arnaldo de Medeiros.

Como combater o mosquito transmissor da dengue?

Ações simples podem ajudar no combate ao mosquito Aedes aegypti. O segredo está nos cuidados com os diferentes ambientes, principalmente no quintal de casa. Entre as medidas que podem ser adotadas estão: evitar água parada em pequenos objetos, pneus, garrafas e vasos de plantas; realizar limpezas periódicas em caixas d’água e mantê-las sempre fechadas; vedar poços e cisternas; e descartar o lixo de forma adequada. Os gestores também devem se engajar com o reforço da limpeza urbana, promoção de ações educativas e estímulo ao engajamento de diversos setores da sociedade, como saúde, educação, saneamento, meio ambiente e segurança pública, dentre outros.

VEJA TAMBÉM

Brasil confirma segundo caso de superfungo e alerta para surto

Anvisa indicou um terceiro surto no país da doença causada pelo fungo Candida auris, que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *